Fluidez

Fluidez (s.f.): 1. Propriedade ou particularidade do que flui; 2. espontaneidade ou naturalidade; 3. fluência. 

(para ouvir…)

Fluir. Deixe fluir. Deixe-se fluir. Tenha-se flúido a viver; tenha seus vazios, suas certezas, suas incertezas por onde quer que vá. Deixe a música do mundo contagiar cada parte da sua alma. Dance. Seja flexível, mude de opinião, cante alto seus sonhos; viva com mais contraste, mais cor e não deixe-se saturar facilmente. Tropece e caia; o importante é levantar-se. Vire-se ao contrário quando preciso for escapar de si mesmo, mas revire-se e encontre-se novamente assim que possível. Não perca a sua essência – nem deixe que a tirem de você. Sempre encontre espaço para doer, para curar e para aprender mais. 

Faça do mundo um lugar seu e se encaixe em cômodos que não lhe cabem. Se atire na vida sem mais nem menos, sem pestanejar, deixando-lhe consumir por tudo o que é belo. Que seu querer seja maior que o seu caos. Que seus impulsos sejam cada vez mais descontrolados e desmedidos. Não se contenha, não guarde palavras na boca, não dê meios passos ou meios sorrisos; não tenha medo. Mesmo que – vez em quando – lhe doa e lhe consuma, sinta a vertigem que é estar vivo! De nada vale a felicidade sem seu antônito em paralelo lembrando-nos, em tempos difíceis, o valor de um mero sorriso. 

Que seja bagunçado, incabível, transbordado, incompreensível, eloquente e pulsante, mas que seja belo o viver, acima de qualquer aposta. Se não houver razão em nada disso, tudo bem, basta apenas ter fé. Ter esperanças novinhas em folha aonde quer que se vá, que o amanhã virá com um começo, um re-começo. Assim, apaga com um sorriso toda a tristeza que invade a sua alma, “aponta pra fé e rema”. 

(Um lembrete àqueles que se entregam ao viver, usando eufemismos para anestesiar os tropeços por aí.)

Carla Mereles

Morena de cidade alemã, tem na escrita a sua maior liberdade. Além disso, tem inquietação por tudo o que parece fora do lugar – ou num mesmo lugar há muito tempo. Crê na força das palavras, no poder catalisador da música (em especial a quem a faz) e, principalmente, na força sinérgica das pessoas. Gosta de ouvir e contar histórias, sempre que pode está na/pega a/bota o pé na estrada e deseja um dia ter a sabedoria em bem enxergar o mundo.

Experimente também

O amor nos tempos do wi-fi

Por Uma Boa Dose

– por Celso Alves Enquanto você me lê, juras de amor roçam seus dedos, segredos safados acariciam sua nuca e […]

O início de todo resto

Por Ingrid Tanan

Oh, os sonhos que tenho, só começos. Neles me encontro, Neles me perco. Começos, tão pequenos, Nos meus sonhos o […]

Degustando...