Águas (paulistanas) de março

Passei minhas duas primeiras semanas em São Paulo enfrentando um calor de quase 40 graus até ver a primeira chuva cair. No dia 27 de fevereiro, quando completei um mês por aqui, contava nos dedos as vezes em que São Pedro derramou suas águas: foram apenas cinco em 30 dias, desproporcionalmente intercaladas  com uma quantidade de sol inexplicável para o mês mais chuvoso do ano e para uma cidade que tem como apelido ‘capital da garoa’.

Mas aqui não é só a cidade da chuva. É a cidade do do Museu da Língua Portuguesa, da Pinacoteca e seu jardim da Luz, do Bexiga, da 25 de março, da Vila Madalena e seus barzinhos. Cidade que abriga a maior população nipônica fora do Japão no bairro Liberdade, a freirinha de antiguidades na Benedito Calixto, o parque Iberapuera, a praça da Sé, o largo de São Francisco, a USP e a icônica Av. Paulista e suas construções intercalando o histórico, o novo e o vanguardista.

São Paulo é berço de centenas de museus, bares, restaurantes e pessoas, mas tempo, por aqui, não há.  O ritmo te engole, e engole vivo, se deixar. Quando você menos espera, lá está o final do dia, avançando sobre os seus planos, e logo vem o sono, que é mais forte e imponente que a maioria deles – até mesmo atualizar o blog semanalmente.

Não sei explicar o porquê de tanta correria. Talvez os 13 milhões de pessoas dentro do mesmo lugar, usando os mesmos transportes públicos, andando pelas mesmas ruas e consumindo os mesmos serviços possam ajudar. É uma quantidade tão grande de seres humanos coabitando um espaço que a minha cabeça numericamente limitada não consegue dimensionar.

Captura de tela 2014-03-14 01.09.09

Foto: Flickr

Essa multidão também pode explicar porque, por vezes, São Paulo seja tão dura e impenetrável. É tanta gente se importando com tanta coisa de diferente que, no final, o efeito é inverso: ninguém se importa. Nem com o que você veste ou com o que você come ou se o seu cabelo é azul com mechas rosas. E, ao mesmo tempo em que você se sente vulnerável e solitário, é exatamente a variedade de histórias com as quais você esbarra todos os dias que te torna mais humano e te faz valorizar mais suas conquistas e dar o peso certo às derrotas.

São Paulo é tanto, tanto, mas tanto (e de tanta gente) que nem dois, três meses de dedicação exclusiva ao desbravamento da capital dariam conta de vasculhar todos os cantos e toda a beleza escondida em suas entranhas. São Paulo é cidade de uma vida inteira.

Por sorte, março chegou diferente: menos ensolarado e mais imprevisível, prometendo um índice pluviométrico bastante generoso e, com ele, um tempo a mais pra realmente conhecer essa cidade que agora também é minha. E não tenho dúvidas de que vou encontrar debaixo do cinza concreto e do guarda-chuva – e, mais importante, viver – muitas boas doses pra compartilhar.

Bruna Estevanin

Bruna Estevanin

Bruna é uma jornalista inquieta que adora ouvir histórias e nunca recusa um convite para jogar baralho. Acredita mais em ações que em palavras e as pessoas que enrubescem quando estão envergonhadas são as suas favoritas. Nas horas vagas, ela inventa teorias sobre comportamento humano, rabisca uma ideia e outra e coleciona guardanapos.
Bruna Estevanin

Últimos posts por Bruna Estevanin (exibir todos)

Experimente também

Ser ou não ser? (E suas cicatrizes)

Por Gabe Hansel

Em Hamlet, Shakespeare, dotado de sua espetacular consciência da vida, apresenta-nos uma questão filosófica muitíssimo interessante de ser debatida na […]

2am

Por João Vítor Krieger

Acontece algo mágico às duas da manhã.  Nesse frio meio indeciso, a vista da minha janela é de uma névoa […]

Degustando...