Fonte: Wiros (https://www.flickr.com/people/91515119@N00)

Corda Bamba

Eles preferem se equilibrar.

Como todos bons equilibristas, sabem que agora só equilibram-se bem por já terem caído antes. E ali eles dançam, correm e pulam, tocam-se e afastam-se num balanço eterno.

Resolveram andar na corda bamba todos os dias. Se tem saudade, não falam. Se gostam, não demonstram. Se querem, não pedem. Se veem, não chamam. Se ouvem, não dão bola. Se choram, riem pra esconder.

Se desejam, não se tem.

Entre eles não existe sim e não. Existe uma linha tênue que separa um sentimento do outro e é ali que eles andam.

E, por mais que desequilibrar-se por amor seja o maior indício de uma vida equilibrada, eles preferem deixar tudo no ar. O vai-e-vem dos corpos para a esquerda e para a direita lembra uma dança lenta. Tentam sincronizar seus balanços como muitas vezes sincronizaram a respiração e, uma vez, seus corações.

Quando um deles está mais próximo de cair é que o outro entra em cena. Ou sai dela. Ignora, se faz de difícil. Balança pro lado oposto na esperança de tudo voltar a ser como antes.

Fecham os olhos, respiram fundo, e está tudo bem novamente.

Mas se, um dia, o que pesar for o coração, lembre-se que ele não é equilibrista.

Pra ele, a gente não dá corda.

Humberto Cardoso Filho

Humberto Cardoso Filho

Paulista radicado em SC, publicitário por formação e escritor por Hobby. Apareço, normalmente, 2 quartas por mês aqui no Uma Boa Dose compartilhando um pouco do meu mundo. Apaixonado por trabalho voluntário, hoje sou Organizador do TEDxBlumenau. Acredito que histórias tem, sim, poder transformador e busco usar as palavras com esse objetivo.
Humberto Cardoso Filho

Últimos posts por Humberto Cardoso Filho (exibir todos)

Experimente também

Quarta-feira nublada

Por Ingrid Tanan

É uma quarta-feira nublada, o céu está completamente coberto de grandes nuvens cinzas, impedindo o sol de brilhar. O vento […]

O americano finlandês de Berlin

Por João Vítor Krieger

E então o Americano — lamentei muito não lembrar do nome dele depois — tirou um pincel atômico do bolso […]

Degustando...