O Primeiro

Thiago olha no espelho e se pergunta se aquela pessoa refletida é ele. Dormiu mal a noite passada, estava muito ansioso. Ainda está ansioso. Lava o rosto pela terceira vez na esperança de que o ato lhe dê melhor aparência… nada.

A adrenalina percorre seu corpo agressivamente, seu coração pula no peito, lateja. Sua respiração se perde em sua dança natural e suas mãos tremem descontroladamente. Ele respira fundo numa tentativa frustrada de mudar seus pensamentos. Fecha os olhos.

Suavemente, como uma brisa de verão que lhe beija o rosto, o medo o assola, o abraça e fala baixo em seu ouvido. A angústia o toma por inteiro: o fracasso é certo. Por um segundo, Thiago perdeu a luta, se deixou ser vencido. Por um breve segundo, Thiago vacilou perante o negativismo.

Ele respira fundo outra vez.

Abre os olhos, olha para si mesmo diante do espelho. Encontra em sua imagem um olhar feroz, desejoso. Ousaria até dizer corajoso, valente. O segundo de medo e perda havia passado e seu estômago não dava mais voltas. Concentrando-se, Thiago toma uma dose de energia, incha-se. Dá um sorriso torto, veste-se de determinação e investe na insanidade – se abre para a loucura do momento e a singularidade de estar vivo e sentir-se vivo.

Esse é o átimo, o instante mágico. Tudo pode acontecer, nada pode acontecer.

É só a primeira vez, e toda primeira vez é assim.

Ingrid Tanan

Ingrid Tanan

A Ingrid é a moça dos sorrisos com covinhas e das bochechas rosadas. Ela aprecia um bom livro e, mais ainda, uma longa conversa sobre ele. Apaixonada por design, música, Friends, marshmallow, Tim Burton, cadernetas, postais e post-its. Acredita que escrever é seu momento – é poder estar consigo e refletir sobre o finito e infinito. Você pode encontrá-la em qualquer livraria de São Paulo ou às sextas aqui no Uma Boa Dose.
Ingrid Tanan

Últimos posts por Ingrid Tanan (exibir todos)

Experimente também

O americano finlandês de Berlin

Por João Vítor Krieger

E então o Americano — lamentei muito não lembrar do nome dele depois — tirou um pincel atômico do bolso […]

METAS GLOBAIS: A soma do individual e do coletivo.

Por Gabe Hansel

Mesmo que eu quisesse, jamais conseguiria falar de apenas UMA das Global Goals, então resolvi falar de todas que eu […]

4 comentários

  • Bárbara Macedo 11/10/2014   Reply →

    Olá!
    Amei o blog! Excelente reflexões, parabéns!
    Beijo

    • ingridtanan 11/10/2014   Reply →
      ingridtanan

      Olá, Bárbara!
      Muito Obrigada. Espero vê-la por aqui frequentemente.

      (:

  • Juliana 11/10/2014   Reply →

    Bem detalhado, cada sentimento parece real! Amei…
    Vamos aguardar os próximos!
    =]

Degustando...