Fonte: Pinterest

Cresça uma barba!

 

– por Paulo Queiroz

 

No mês de novembro alguns homens – quem sabe até mulheres né, nunca se sabe – participam de um evento mundial conhecido como no shave november. O objetivo deste movimento é que os participantes, como o próprio nome sugere, não façam a barba – sinal de masculinidade – no período do décimo primeiro mês. Imbuído do recente espírito adquirido ao aderir à brincadeira, veio à mente uma comparação bastante singular: começar a crescer e manter os pelos faciais é como o processo do amadurecimento (não, não enlouqueci, ainda fará sentido).

Para começar a minha explicação, devo esclarecer que se você for um cara sem barba, que não se sinta ofendido, o desbarbado não é menos maduro que o barbudo viking. Daqui pra frente, tenha em mente a barba como sinônimo de maturidade.

Os moços quando começam a ver uma leve penugem na face já se ouriçam, ficam todos tolos com a iminente (ou não tão iminente assim) possibilidade de ostentar uma bela duma barba. Afinal, quantos personagens históricos e ficcionais não as possuíam opulentas? Dom Pedro II, Karl Marx, Tolstoi, um rol imenso de presidentes americanos, Dumbledore. Todos eles homens influentes, possuidores de uma sabedoria particular e de um respeito por muitos inegável.

 Mas veja, não é tão fácil fazer com que a barba cresça. A primeira frustração é que não é de um dia para o outro que os pelos saltam dos folículos, longos, negros e espessos. Leva um certo tempo até que se possa ver de longe que o indivíduo está devidamente dotado de uma barbixa.

É preciso, segundo a sabedoria popular, barbear-se diariamente. Cortar, cortar, cortar, pela base, “podar-se” pra que uma hora se estabeleça a suntuosa dita cuja. Então ela; cresce confusa e difusa. Aqui e ali ela até está, mas não se mostra integralmente.

Há o momento em que se percebem falhas. Muitos desistem, acham que o problema é insolussionável, ou simplesmente não conseguem suportá-los. Mas há a necessidade de saber lidar com as falhas, vencê-las, conviver com elas, e chega um momento no qual a falha é tão bem compreendida e resolvida que deixa de ser falha e passa a integrar a unicidade do conjunto.

Aqueles que conseguem crescer uma barba sabem: ela pede cuidados e atenção, manutenção constante, para que permaneça íntegra e que não seja só um desleixo. Alguns conseguem até o final da vida carregar consigo a barba que conquistaram e desenvolveram, conquistando as pessoas pelo seu uso consciente dela.

Também existem os que nunca conseguira conseguir crescer barba, são incapazes disso, ou primordialmente não as merecem.

É um sentimento bom perceber que a barba está finalmente aparecendo, que aquilo que antes vinha tímido e desajeitado cada vez mais se torna fato e realidade. Minha recomendação é a seguinte: seja homem ou mulher, cresça uma barba!

Últimos posts por Uma Boa Dose (exibir todos)

Experimente também

Pequenos hábitos de um grande guerreiro

Por Ana Kienen

O simples fato de acordar todos os dias e ter a chance de escrever um novo capítulo em sua história […]

Por que a vida que eu não queria é a que me deixa mais feliz?

Por Carla Mereles

Sou da teoria de que quando menos, declaradamente, queremos algo, este algo nos acontece. Indubitavelmente isso acontece comigo. Quando penso em tudo […]

3 comentários

  • Janja 18/11/2014   Reply →

    ME CAGO

  • thegreatbach 26/11/2014   Reply →

    Muito agradável de ler! Gostei do texto sobre o No Shave November, que se consegue saborear os doces das piadas e o salgado das reflexões

  • Carla Mereles 28/01/2015   Reply →

    that’s ma boy!

Degustando...