Exosfera

as olheiras formam uma órbita profunda
em torno de olhos expressivamente cansados
à medida que aumenta em progressão geométrica
a quantidade de livros sobre a mesa

traços de um rosto exausto

de uma luta contra a gravidade

que lhe acelera ao chão
aja mais levemente…

e marcado pelas incerteza
que abrigam o peito
pelo desgaste de um ano cão,
o tempo desmancha os laços que a mantém unida, como uma só

está só, num vácuo;
enclausturada em pensamentos, só
e somente dentro desta cabeça, só
é impossível ser

a felicidade amarrada a uma bolsa de papel
atirada ao universo de galáxias nos céus
acredita que fica por lá, nas estrelas
pura coincidência se decidir retornar

a gente muda e não volta
a ser quem era, um dia
quem sabe mudanças sejam boas,
quem sabe, se são apenas necessárias

(?)

Carla Mereles

Morena de cidade alemã, tem na escrita a sua maior liberdade. Além disso, tem inquietação por tudo o que parece fora do lugar – ou num mesmo lugar há muito tempo. Crê na força das palavras, no poder catalisador da música (em especial a quem a faz) e, principalmente, na força sinérgica das pessoas. Gosta de ouvir e contar histórias, sempre que pode está na/pega a/bota o pé na estrada e deseja um dia ter a sabedoria em bem enxergar o mundo.

Experimente também

Ainda bem que não foi o mindinho

Por Carla Mereles

Acordei espirrando. Depois que espirrei, me engasguei e fiquei tossindo por uns 10 minutos. Bom, tá aí uma forma inusitada […]

uma boa dose de poesia

Por Carla Mereles

Poesia (s.f.): 1. Arte de fazer versos. 2. Obra em verso, poema. 3. Característica do que toca, eleva, encanta. 4. Forma especial de […]

Degustando...