Gratidão, sinônimo de felicidade

Gratidão_Topo-BlogSempre busquei pintar cenas e criar situações para explicar como me sinto em relação à vida. Para explicar a gratidão eu escolho o seguinte cenário: em um palco acendem as luzes e iluminam uma dupla, um mestre e seu aprendiz. Esses personagens dançam um ballet que se divide com maestria entre clássico e contemporâneo e a música erudita faz com que a nossa alma de encha de paz e contentamento. Nessa cena, o universo é o mestre e nós somos os dançarinos-aprendizes. No fim de cada sessão, ovacionamos e aplaudimos extasiados a sincronia com que a vida nos leva.

A gratidão tem sido um tema que ganhou uma relevância crescente na minha vida. São os acontecimentos diários, dos mais simples aos que parecem não fazer nenhum sentido, que me levam ao aprendizado da prática da gratidão. É necessário para isso um coração aberto e uma mente treinada.

Um pequeno exemplo foi quando, depois de quase 4 semanas de chuva e tempo nublado, o sol finalmente apareceu para iluminar Porto Alegre. Peguei o ônibus as 8 a.m., a temperatura era amena, um ventinho entrava pela janela, as árvores dançavam com um tom “verde vivo” e o sol refletia nos bancos em um jogo de luz e sombra. Observando aquela cena, me senti grata. Me senti feliz por conseguir aproveitar esse espetáculo tão simples e tão complexo da natureza. Comecei a absorver as nuances daquela situação, me senti grata por poder enxergar, grata pelo tato, pelo movimento e por estar viva.

Outro aprendizado foi quando mudei de emprego, não me adaptei ao novo ambiente, não me sentia bem, não sentia que pertencia, mas ainda assim buscava fazer o meu melhor. Fui demitida. Apenas com isso, tive finalmente coragem de reconhecer que eu não estava feliz, que estava insistindo em uma área com a qual já não me identificava, decidi recomeçar. Senti gratidão pelo universo e a vida serem mais inteligentes que eu, pelos ambientes automaticamente rejeitarem “organismos estranhos”. Gratidão por ter aprendido a reconhecer isso.

De tempos em tempos encontro pessoas que iluminam minha alma com toda sua história, vida, conhecimento, originalidade, positividade, qualidades e, também, defeitos. Sou grata por cada aprendizado que me proporcionam.

Minha mãe me ensinou e eu jamais esqueci, existem duas maneiras de aprender: pelo amor ou pela dor. Nem sempre temos escolha por qual deles que o aprendizado virá, mas depende de nós o quão rápido queremos absorver o crescimento. Ser grata, pessoalmente, auxilia muito nesse processo de absorção, ajuda a clarificar os pontos positivos das situações.

Por fim, gratidão para mim é sinônimo de felicidade. Elas se manifestam juntas desde os pequenos detalhes do dia-a-dia, da natureza e do universo, até os aprendizados mais complexos da convivência. A gratidão dança conosco, nos traz a paz para aprendemos e uma felicidade que nos acalma. Ser grato, feliz ou ter paz não são garantias de que a vida será doce e fácil, mas nos mostram que podemos escolher a maneira como queremos ver os acontecimentos. E por estes aprendizados, sou grata.

Gabe Hansel

Gabe Hansel

Uma criança curiosa, uma adulta filosofa, uma adolescente rebelde e uma senhorinha alegre e contadora de piadas. Poderia ser a sinopse de um filme brega, mas é só um resumo das múltiplas personalidade dessa publicitária e atual estudante de administração pública. Gabe tem vícios em Youtube, Netflix, coisas belas, conhecimento, pessoas e mudanças. Aqui no Uma Boa Dose encontra espaço para refletir sobre a vida, amores, histórias e experiências, e ama compartilhar tudo isso com vocês.
Gabe Hansel

Últimos posts por Gabe Hansel (exibir todos)

Experimente também

Sentir: verbo que indica coragem

Por Carla Mereles

Quando era pequena, fui alfabetizada muito cedo, aos quatro anos de idade. Saía por aí, de mãos dadas com meus […]

Soprando velinhas

Por Uma Boa Dose

– por Celso Alves Do 1 aos 3 anos, precisei de ajuda para soprar as velinhas. Aos 4, como o […]

Degustando...