O último Chefão

O vento sussurrava lá fora. O céu, cinza chumbo, anunciava que uma forte chuva começaria a qualquer momento.

Enquanto olhava aflito através da janela, sentia meus pensamentos flutuarem e se materializarem ao redor da cabeça. Uma névoa se formava, pesada. Com as mãos, tentava dispersá-la freneticamente. Sem sucesso, claro.

Com mais atenção, notei que tal névoa refletia páginas da minha vida. Histórias vividas e revividas muitas vezes.

Expirando o ar, comecei a pegar memória a memória com o indicador e o polegar e assoprás-la ao vento.

Na terceira página, espantado, notei que elas tinham muitos padrões em comum: tinham o mesmo enredo, apesar de situações diferentes. Os olhos brilharam e ouvi as engrenagens da mente acelerar seus movimentos. Se fosse um trem, agora seria a hora em que o apito soa e ecoa pelos ares.

Tinha tido um insight: quando ideias malucas e desconexas se ligam formando uma linha de raciocínio brilhante.

Podemos comparar nossas vidas a um jogo, pensei.

Quando não passamos uma fase, por exemplo, entramos em um ciclo repetitivo até que concluamos todos os objetivos dela a fim de avançarmos na história. Na vida, isso não é muito diferente. Astuta que só, na vida a diferença é que temos um mesmo desafio enfrentado em situações e personagens diferentes.

Se você percebe que está vivendo uma mesma história, isto é, as coisas se desenvolvem como já aconteceu no passado, você tem a oportunidade de avançar o nível. Notar um padrão nos dá a chance de fazer diferente dessa vez. Evitar repetições. Quando estamos nessa situação, a vida nos dá espaço para quebrar um ciclo, fazer a coisa se desenvolver de outra forma.

Como na tela de continue, você escolhe entre avançar ou deixar para lá, ou seja, continuar naquele estágio.

As dúvidas são inúmeras: ah, mas dessa vez pode dar certo. Ah, agora estou mais maduro. Ah, é parecido, mas é diferente.

Criamos, assim, uma lista de motivos para não passar daquele nível. Medo, insegurança, incerteza… Todos os empecilhos que aparecem com o objetivo de que evoluamos, aparecem para nos manter estático.

Nesse momento, durante o clímax do jogo, a hora de lutar com o chefão, você descobre algo espantador.

É quando você entende que… No jogo da vida, o último chefão é você mesmo. Você é seu maior desafio, o mais difícil de entender e decifrar. E aí, na luta contra o espelho, é dado o momento de você abrir o coração e dizer que vai ficar tudo bem. Que não tem problema avançar. Que uma nova jornada não traz mal algum.

Nesse momento, um clarão invade a tela por alguns segundos sucedida de um inquietante silêncio e de uma tela preta. Tudo parece finalmente resolvido. Uma felicidade imensa inunda o peito. Quando a gente resolve o enigma final, a gente resolve a si mesmo. Os olhos ardem de alegria e o coração bate forte. Um fade-in se inicia e um novo horizonte se forma. Uma luz oriunda dessa linha tão longe enxarca nossa visão de calor, aquecendo cada célula do nosso corpo. Um sorriso se forma e uma calmaria reforça o que nos motivou a seguir adiante.

E por fim…

Bem…

Começamos tudo outra vez.

:’)

 

***

Quando é hora de enfrentar suas próprias dificuldades, não hesite em pedir ajuda. Seja para si mesmo, para Deus, para quem for. Seu maior instrumento é você mesmo e, não contar com ele é tão ruim quanto rezar sem ter fé.

Aprender a dizer adeus é tão essencial quanto aprender a caminhar. Um está, no fim das contas, atrelado ao outro. Só precisamos descobrir o momento certo para fazê-lo. Com isso, tudo está resolvido.

Até a próxima.

🙂

Murilo Igarachi

Murilo Igarachi

Paulistano com descendência na Lua. É daqueles que você tem cantando sozinho na fila do metrô ou balançando as pernas como uma criança num banco de praça qualquer. Questiona tudo o que vê e busca achar um sentido para tudo, em especial para a vida e seus misteriosos mecanismos. Amante nato de natureza, apesar de ser de exatas, ama dias ensolarados e chuvas de verão. A cada duas Quintas, aparece espalhar doses de vida, amor em suas mais variantes e você, muito você. :3
Murilo Igarachi

Últimos posts por Murilo Igarachi (exibir todos)

Experimente também

90 Pequenos Prazeres da Vida

Por João Vítor Krieger

Ter um ‘pen friend’, isto é, uma amizade mantida por correspondência ou por mensagens pela internet (geralmente em outros idiomas), é inegavelmente […]

Ode à Jabuticaba

Por Uma Boa Dose

  – por Celso Alves Estava eu tranquilo vendo TV antes da rotina banho-elevador-ônibus-trabalho quando surgiu o comercial de um […]

Degustando...