Dona Carmen

Carmen Lúcia morava numa chácara – com mato, muitos animais, todo aquele cenário bucólico. Estava acostumada a ir para a escola obrigatoriamente com meia-calça e saia de pregas à moda da época, mesmo com temperaturas beirando 0ºC. Sempre foi muito dedicada: ajudava seus pais, lavava roupas, cozinhava, arrumava a casa e cuidava dos irmãos. Mas enfrentava com gosto o frio do percurso e o cansaço dos afazeres domésticos para completar as tarefas de casa. Ela, afinal, queria estudar.

Anos depois, quis ir à universidade. “Mas como? Uma menina assim, tão jovem?”, questionavam todos, “e sozinha?”. Seu pai foi contra a vontade da filha estudar – imagine lá uma menina desamparada e sem família na capital! Sua mãe, Neusa, aceitou a escolha da filha. Assim, sustentou-a com o escasso dinheiro que ganhava fazendo empadas, além de ter de conviver com o peso em ter contrariado o marido nos anos 60.

***

Carmen Lúcia trabalhou desde muito cedo para conseguir cuidar dos custos de aluguel, transporte, alimentação e da vida – apesar da ajuda corajosa da mãe, a vida continuava sendo difícil. Mas sabia que, no fundo, trabalhava também porque tinha sede em aprender. Preencheu seus anos juvenis entre os árduos estudos e as longas jornadas de trabalho, em busca de uma vida melhor para si e de uma sensação de plenitude que tinha somente quando estava na frente de uma classe lotada de alunos.

Carmen Lúcia é uma das pessoas mais fortes que conheço. Com tantas barreiras, tantas marcas em si – dessas que não aparecem ao olho nu –, ela passa pela vida flutuando. Ela é a tradução literal de “resiliência”, também. Com todas as dificuldades que lhe foram impostas, desde um incêndio em sua casa quando recém-casada à perda de muita gente querida, dona Carmen não se deixa abater. Ela sacode a poeira e levanta a cabeça para viver.

***

Dona Neusa e Carmen Lúcia fizeram o mundo ficar mais bonito com suas escolhas. E elas também fazem o meu mundo melhor. Dona Neusa infelizmente já se foi, mas era um dos seres humanos mais doces que já se viu, além de uma piadista de primeira mão e uma bisavó coruja como nenhuma outra. Dona Neusa foi daquelas mulheres com força no olhar e uma coragem inabalável. Dona Neusa foi uma das minhas perdas mais significativas, daquelas que doem por muito tempo, simplesmente porque ela faz muita falta neste mundo.

Já a dona Carmen é quem eu chamo, com orgulho, de “vó”. É quem estala os beijos mais altos na minha bochecha, quem sempre me recebe com um caloroso abraço em casa e quem tem a melhor mão na cozinha – ah, a comida de vó. Mas dona Carmen é muito mais. Dona Carmen se aposentou há anos, mas continua trabalhando incessantemente – e às vezes recebe broncas da família por conta disso. Ela não se mantém parada, porque seu dever com a vida é sempre muito maior; ela trabalha porque precisa estar sempre assim: em movimento.

Dona Carmen é uma das pessoas mais amorosas que conheço, mas também uma das mais fortes; é uma sonhadora, mas trabalhadora que só vendo. Essa mulher é de fibra. E tenho muito amor pela dona Carmen, além de uma felicidade em tê-la como minha vovó.

***

Falei com dona Carmen essa semana e ela me contou que vai falar sobre ser mulher numa palestra – das várias que faz – e me convidou para prestigiá-la. Como não encher o coração de felicidade com um convite desses? Feliz dia das mulheres a todas – e abracem aquelas que são um exemplo a vocês e têm o seu amor. <3

Carla Mereles

Morena de cidade alemã, tem na escrita a sua maior liberdade. Além disso, tem inquietação por tudo o que parece fora do lugar – ou num mesmo lugar há muito tempo. Crê na força das palavras, no poder catalisador da música (em especial a quem a faz) e, principalmente, na força sinérgica das pessoas. Gosta de ouvir e contar histórias, sempre que pode está na/pega a/bota o pé na estrada e deseja um dia ter a sabedoria em bem enxergar o mundo.

Experimente também

And we'll be... Us.

Por Carla Mereles

Uma amiga minha  disse que prefere mil vezes os meus textos mais ‘bonitos’ do que os mais ‘sérios’ e, desta forma, decidi […]

Todos os amores são tóxicos

Por João Vítor Krieger

  O lado bom de ter priminhos que são mais ou menos velhos, ali naquele limiar caótico no fim da […]

Degustando...