A um passo

Quando você estiver a um passo de deixar tudo para trás, feche os olhos um pouquinho.

Lembre-se de todos aqueles momentos bons que viveu até então.

E dos ruins, também.

Não ignore nada.

Deixe tudo o que não deve permanecer para trás.

É que não dá para ter dias novos se os costumes ainda são velhos.

 

Sempre que estiver a um passo de deixar tudo para trás, olhe para frente.

Tente enxergar tudo aquilo que o horizonte quer desvelar.

Pode ser que as coisas estejam um pouco desfocadas.

Não se importe muito com isso.

Não há quem não seja míope numa situação dessas.

Deixe que o oculto se revele no tempo que quiser se mostrar.

Não apresse.

Não acanhe.

 

Quando for deixar tudo para trás, respire fundo.

Tome todo ar que puder e deixe-o alimentar seu corpo inteiro.

Observe a vida se espalhar por cada célula sua.

Sinta o calor se propagar e aquecer-lhe todo.

Sorria nesse momento, se tiver vontade.

Chore se estiver a fim.

 

Partir significa libertar.

Libertar significa sentir.

Sentir significa reconhecer.

Reconhecer significa dar nome às coisas.

 

Se for deixar tudo para trás, lembre-se de voltar algum dia.

Revisitar suas raízes. Rebuscar amizades.

Não deixar a poeira encrostar.

Mudar de CEP. Ou talvez de continente.

Mas nunca de logradouro.

Ele é sua identidade.

É você.

O que tem. O que vai ter.

O que deixou de ter há tanto tempo.

 

Deixando tudo para trás, lembre-se de mim.

Não apague nossas memórias.

Prometa-me um espaço no seu coração.

E te prometo em troca o mesmo.

Sorrisos bobos e sérios.

A nostalgia.

O agridoce da saudade.

Ter-te perto apesar longe.

Ter-te longe apesar de tão perto.

 

Ao deixar tudo para trás, parta de vez.

Não me mande cartão postal.

Não me inclua nas suas orações.

Mate-me em si aos poucos.

Mas nunca…

Jamais se esqueça que…

Um dia.

Ah…

Um dia… Eu fui só seu.

Murilo Igarachi

Murilo Igarachi

Paulistano com descendência na Lua. É daqueles que você tem cantando sozinho na fila do metrô ou balançando as pernas como uma criança num banco de praça qualquer. Questiona tudo o que vê e busca achar um sentido para tudo, em especial para a vida e seus misteriosos mecanismos. Amante nato de natureza, apesar de ser de exatas, ama dias ensolarados e chuvas de verão. A cada duas Quintas, aparece espalhar doses de vida, amor em suas mais variantes e você, muito você. :3
Murilo Igarachi

Últimos posts por Murilo Igarachi (exibir todos)

Experimente também

Dépaysement

Por Carla Mereles

Dépaysement n.m. (frech): 1. change of scenery; 2. the feeling that comes from not being in one’s home country. 3. […]

Soprando velinhas

Por Uma Boa Dose

– por Celso Alves Do 1 aos 3 anos, precisei de ajuda para soprar as velinhas. Aos 4, como o […]

Degustando...