Fonte: Tumblr

São Domingos

– por Daniely Duarte

Não me lembro de entrar. Perdida no ar do som dos pedidos de muitas Marias a uma Senhora, estive em mim quando reparei as cicatrizes das paredes.
Em busca de contemplar o encontro nas costas de quem procura, pedi para me sentar ao fundo. A mão esquerda me puxou, enquanto a direita apontava lugares mais à frente.
O vermelho das memórias de um incêndio que não vi teceu-se abaixo de estáticos fios de cabelos brancos e soou como pedido de oração.
Minhas preces têm sotaque brasileiro. Aos risos, não tem problema.
A mão direita me puxou, enquanto a esquerda apontava o altar. As costas eram minhas. O sol da primavera iluminou o português. O sorriso do português iluminou o espanhol, o francês e o pouco de alemão.
Ele trouxe Beatles, amor e Vinícius de Moraes. Eu aceitei. A grandeza me invadiu. Eu estremeci. Busquei-me no conforto de me sentar ao fundo e abri os olhos no altar. Expandi a mente com os braços e pedi coragem para integrar a mim o que for maior que eu. Façamos dos menores, melhores.
Subi. Oramos todos, com sotaques tanto faz. Tentei descer. Fiquei.
Contemplei, de frente, o encontro nos rostos de quem procura. Inseri o sol nessa memória. A grandeza me invadiu. Eu agradeci.

Com a licença de 26 de abril de 1500, essa foi minha primeira missa em Portugal.

26 de abril de 2016.

Últimos posts por Uma Boa Dose (exibir todos)

Experimente também

éssipê

Por Carla Mereles

Sentada, frente a uma mala verde de tamanho médio e com um espresso puro na mão esquerda, eu estava com […]

Negrito

Por João Vítor Krieger

As mangas e carambolas rotas são ornamentos comuns dos passeios e veredas pelas ruas de Assunção. Entre as rachaduras da […]

Degustando...