Deixa ir

Ninguém gosta de finais. Seja dos mais simples e corriqueiros do nosso dia a dia, como do fim do sono quando o despertador toca, o último gole daquele café quentinho ou o restinho de shampoo que acaba no meio do banho, até dos finais complexos e mais desagradáveis, como o fim de um relacionamento, de um trabalho ou de um longo período morando numa região querida. É desses finais que eu quero falar aqui.

O fim de uma coisa boa pode indicar o início de uma melhor ainda, mas, até nos convencermos disso, leva tempo. E não é fácil. Quando o fim significa uma quebra da rotina da qual você estava acostumado. O mergulho de cabeça num novo universo, ainda desconhecido, é assustador mesmo.

Por conta desse medo e da sensação desagradável que qualquer fim causa, é normal que a gente tenha dificuldade em dar por encerradas determinadas etapas da nossa vida. Sem perceber, começamos a agir naquele famoso estilo “empurrando com a barriga”, que não é bom nem para você nem para quem está envolvido na história. E aí ficam os questionamentos: até que ponto vale a pena permanecer em uma situação que já não te faz bem por medo de desapegar? Por receio do que vai acontecer assim que a página for virada?

Adiar essa tomada de decisão é ilusoriamente seguro. Digo ilusoriamente porque nos deixa presos à falsa sensação de que temos todo o tempo do mundo. E não, não temos. O nosso tempo tem que ser gasto com o que vale a pena. Porque a verdade é que ele não volta. E aí, mais pra frente, haja paciência para lidar com o arrependimento de ter gastado esses tão precisos dias – ou meses, até anos – com coisas que não faziam mais sentido e claramente não tinham mais lugar na nossa vida.

Deixa ir. E se, não der certo, deixa voltar. Nada é definitivo – nem mesmo os finais.

Mariana Toledo

Mariana Toledo

O sorriso é sua marca registrada. Vive com a cabeça borbulhando ideias e novos projetos, lamentando o dia ter apenas 24 horas. Sensível, chora mais de alegria do que de tristeza. Sua capacidade em lembrar memórias de infância é invejável, não deixando escapar aromas e sensações. Professora, gosta de escrever, cantar, dançar e atuar – nada profissionalmente – seu palco é mesmo a sala de aula.
Mariana Toledo

Últimos posts por Mariana Toledo (exibir todos)

Experimente também

Aos 26

Por Bruna Estevanin

Ao pular da cama, Ao olhar no espelho, Me encara um rosto fino, (quem é?) Frio, maduro e desconhecido Um […]

17 METAS E UM POEMA

Por Ana Kienen

Foi ainda embalada por uma boa dose de Brasil que ouvi falar pela primeira vez nas Global Goals (em português, […]

Degustando...